Arquivo da tag: ecg

Desafio de ECG

Paciente de 46 anos procura o pronto socorro com queixa de palpitações há 1 hora.

ECG de entrada:

TRN1sn1 Desafio de ECG

Após administração de 6mg de adenosina EV em bolus, repetido o ECG do paciente:

TRN2sn1 Desafio de ECGQual é a arritmia apresentada por esse paciente?

Sabendo que o paciente em questão apresentava ECG normal em avaliação prévia, o que há de diferente no ECG pós adenosina, e o que justifica essa alteração?

(resposta em 07/07/14)

O ECG no paciente portador de DPOC grave

Pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica avançada podem evoluir com sobrecarga das câmaras cardíacas direitas. Este quadro de sobrecarga cardíaca direita secundário ao aumento das pressões pulmonares devido a uma doença pulmonar primária é chamado de cor pulmonale. Mas qual o motivo disto acontecer? A hipóxia tende a causar vasoconstricção da vasculatura pulmonar. Como o DPOC avançado pode cursar com hipoxemia persistente, esta pode levar a uma vasoconstricção difusa da vasculatura pulmonar. O aumento da resistência pulmonar pode levar ao aumento das pressões em artéria pulmonar. Por sua vez, esta elevação da pressão sobrecarrega o ventrículo direito que tende a ficar inicialmente hipertrofiado e, posteriormente, dilatado. O átrio direito acaba dilatando pelo mesmo mecanismo.

No eletrocardiograma destes pacientes, podemos observar sinais de sobrecarga de átrio direito de ventrículo direito. Exemplo:

 O ECG no paciente portador de DPOC grave

 O ECG no paciente portador de DPOC grave

No ecg observamos:

1- onda P apiculada e com amplitude chegando a 5 mm em D2. Onda P > 2,5 mm em D2 = SAD. Quando esta onda p aumentada é resultado de cor pulmonale, dá-se o nome de ONDA P PULMONALE.

2- variação importante de amplitude do qrs entre V1 e V2. É o chamado sinal de Peñalosa-Tranchesi e também significa SAD. Para revisar os critérios de sobrecarga de AD – veja este link.

3- onda S > onda R em V6 – denota SVD

4- onda S profunda em V3 que quando somada a onda R de avL resulta em > 20mm – índice de cornell. Significa SVE

5- Índice de morris presente em V1 – significa SAE.

6- importante desvio do eixo cardíaco (qrs positivo em avR).

Trata-se de mulher com DPOC grave, retentora crônica de CO2 (gaso basal com bicarbonato de 48 e PaCO2 >60) que também possui HAS e sobrecarga de câmaras esquerdas. Achados confirmados posteriormente pelo eco transtorácico.

Que cardiopatia congênita pode causar as alterações vistas no ecg?

Criança de 1 ano:

 Que cardiopatia congênita pode causar as alterações vistas no ecg?

Para ver a resposta, clique no link abaixo:

Continue lendo

Curso básico de eletrocardiografia (ECG) Cardiopapers

curso ecg Curso básico de eletrocardiografia (ECG) Cardiopapers

Curso básico de eletrocardiografia (ECG) do Cardiopapers

 

1-    Introdução

2-    P, QRS e T

3-    Padronização

4-    Como colocar os eletrodos no paciente?

5-    Roteiro para interpretação do ECG

 

Onda P

6-    Como definir se o ritmo do paciente é sinusal?

7-    Como definir a frequência cardíaca pelo eletrocardiograma?

8-    Sobrecargas atriais

9-    Intervalo PR

 

Complexo QRS

10-Orientação e duração do QRS

11-Sobrecargas ventriculares

12-Áreas eletricamente inativas

 

Segmento ST

13-Segmento ST

14-Diagnóstico diferencial de supradesnivelamento de segmento ST

15-Diagnóstico diferencial de infradesnivelamento de segmento ST

 

Onda T

16-Onda T

 

Intervalo Qt

17-Intervalo Qt

 

Conclusão

18-Exemplo de interpretação de ecg

 

pixel Curso básico de eletrocardiografia (ECG) Cardiopapers