Insuficiência Cardíaca

Ressincronização cardíaca – só se o QRS for >150 ms??

Metanálise recentemente publicada no Arquives of Internal Medicine sugere que o uso de ressincronização cardíaca só apresenta vantagens em pctes com QRS acima de 150 ms. Os pctes com QRS entre 120 e 150 ms não mostraram melhora  de sobrevida neste estudo. Nos estudos avaliados na metanálise, 4 em cada 10 pctes que receberam o ressincronizador possuíam QRS entre 120 e 150 ms. Neste grupo de pctes, além de não prover benefícios, o implante do ressincronizador pode ainda causar iatrogenias (sangramento, infecção, etc).

A metanálise englobou 5 estudos grandes sobre o assunto ( COMPANION, CARE-HF, REVERSE,  MADIT-CRT, RAFT). End-point avaliado – mortalidade geral + internações por qualquer causa e por ICC. No grupo com QRS entre 120 e 150 ms – não houve diferença estatística. No grupo com QRS >150 ms – diminuição de 40% nos desfechos.

Pontos fracos do estudo:

1- É uma metanálise e assim sendo geralmente não traz a evidência suficiente para mudar os guidelines mas sim gera hipóteses para serem confirmados em um grande ensaio clínico.

2- Não se avaliou a melhora dos sintomas de ICC. Mesmo que não altere mortalidade e internações, se o dispositivo melhorar em muito a qualidade de vida dos pctes ele continua tendo indicação de ser implantado.

Atualmente as diretrizes da SBC de dispositivos implantáveis coloca como classe I as 2 indicação a seguir para implantação de ressincronizador:

Classe I

1. Pacientes com FE ≤ 35%, ritmo sinusal, IC com CF III

ou IV, apesar de tratamento farmacológico otimizado e com

QRS > 150ms

2. Pacientes com FE ≤ 35%, ritmo sinusal, IC com CF III

ou IV, apesar de tratamento farmacológico otimizado, com

QRS de 120 a 150ms e comprovação de dissincronismo por

método de imagem –

 

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

1 comentário

  • Nesta faixa de paciente (QRS entre 120 e 150), os estudos evadiam ser uniformes na pesquisa de dissincronia mecânica com eco , e não foi o q aconteceu. Essa meta alise pra mim não e valida 🙁

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: