Arritmia

A Fibrilação Atrial é realmente necessária?

 

O fibrilação atrial (FA) é a arritmia cardíaca sustentada mais comum. Sua prevalência aumenta com a idade, e está relacionada com um aumento importante do risco de eventos embólicos, como acidente vascular cerebral (AVC).

Vários estudos têm avaliado medidas terapêuticas farmacológicas e/ou invasivas para reversão e controle dessa arritmia.

O foco agora é controle de fatores de risco. Alguns estudos recentes tem demonstrado a relação de fatores de risco cardiovasculares típicos, como obesidade, hipertensão arterial, diabetes, tabagismo, etilismo e apneia do sono, com o desenvolvimento da FA.

Um estudo apresentado no congresso da Heart Rhythm Society em maio de 2014 – o ARREST-AF (Aggressive Risk Factor Reduction Study – implications for ablation outcomes) – avaliou a importância do controle dos fatores de risco nesses pacientes.

Esse estudo selecionou pacientes com FA e obesidade associado a algum outro fator de risco (hipertensão, diabetes, apneia do sono, dislipidemia), que estavam aguardando a realização de ablação da arritmia. Esses pacientes foram randomizados para o grupo intervenção (mudança de estilo de vida supervisionada) ou grupo controle. O tempo de seguimento foi 2 anos, e o desfecho primário foi recorrência da FA.

Os pacientes do grupo intervenção foram estimulados a realização de mudanças no estilo de vida, com estratégias ativas para controle do peso, controle de tabagismo e etilismo, além de controle de dislipidemia, diabetes, hipertensão e apneia do sono.

Esse grupo apresentou uma melhora significativa do peso, controle glicêmico e pressórico, além de redução dos episódios de apneia/hora.

Além disso, foi demonstrado também mudanças estruturais cardíacas, com redução do volume do átrio esquerdo e do volume diastólico final de VE.

Essas medidas aumentaram em cerca de 5 vezes a taxa de sucesso da ablação.

Em 2 anos, a sobrevida livre de FA após 1 ablação foi de 62% dos pacientes do grupo intervenção comparado com 26% do grupo controle. Se considerarmos novos procedimentos de ablação, em 2 anos 87% do grupo intervenção estavam em ritmo sinusal VS 48% do grupo controle.

Esse estudo mostrou o quanto é importante o controle de fatores de risco em pacientes com FA, especialmente quando buscamos a estratégia de controle de ritmo.

Se mudarmos agora nosso foco para algumas comunidades rurais da China, onde se vive com um estilo de vida totalmente diferente do que estamos habituados, e onde a prevalência de arritmia, doença cardíaca e neoplasia é praticamente nula, começamos a pensar se existiria ainda tanta FA, tanto infarto agudo do miocárdio, tanto AVC, se todos decidíssemos mudar realmente nossos hábitos de vida…

Publicidade

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: