Coronariopatia

Angioplastia de ponte de safena – o que muda em relação a uma angioplastia convencional?

Cada vez mais vemos pacientes que já foram submetidos a cirurgia de revascularização miocárdica no passado necessitando de angioplastia dos enxertos de safena. Neste contexto, existe necessidade de alterar a rotina em relação a uma angioplastia de vaso nativo? Usar ou não stent farmacológico? Inibidores 2b3a são úteis? Aqui vai um breve resumo:

1- Ao contrario do que se preconiza para ATC de vasos nativos, o tamanho do stent deve ser subdimensionado nos enxertos venosos. Usar stents com diâmetro maior do que o da veia associado a altas pressões de liberação apenas aumenta o risco de IAM periprocedimento sem trazer grandes benefícios.

2- O uso rotineiro de stents farmacológicos não está indicado. O estudo DELAYED-RRISC mostrou inclusive aumento de mortalidade com esta intervenção. Já outros estudos mostraram não haver diferença entre stent bare metal e stent farmacológico. Por tanto, de forma geral usar stent convencional.

3- Sempre que possível usar dispositivos de proteção de embolização distal. Diminuem o risco de no-reflow.

4- Não usar inibidores da glicoproteína 2b3a de forma rotineira – não demonstraram benefícios na ATC de enxerto venoso.

Referência: Martinez Filho EE, Ribeiro EE. Hemodinâmica e cardiologia intervencionista: abordagem clínica. Manole. 2008.

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

3 comentários

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: