Coronariopatia

BASKET–PROVE – Stent Farmacológico em coronárias em maior diâmetro trombosam mais? Têm benefício em reestenoses?

O BASKET PROVE Study

 

 

 

  Drug-Eluting versus Bare-Metal Stents 
 in Large Coronary Arteries  

O Basket Prove Study  divulgado no último congresso da AHA 2010 é um  artigo publicado na New England (16/11/2010) que randomizou 2314 pacientes ( stents farmacológicos – 1 e 2 geração- x Stents convencionais ) tentando ampliar o uso de Stents eluidos também em vasos de maior diâmetros. O artigo evidencia o ponto de vista de interesse, mostrando que o DES ( 1 e 2 geração) não apresentam maior risco de trombose em paciente utilizando cloipidogrel por um ano quando comparado aos Bare Metal Stents ( DMS)  em um seguimento de 2 anos, além  de demonstrar   redução de reintervensões no vaso culpado a favor dos farmacológicos.
 
Em suma, Tinha-se o medo de que em vasos calibrosos não valia a pena colocar um stent farmacológico, já que estudos prévios não mostravam vantagens significativas em reduzir Reintervensões (“reestenose”)  em relação aos BMS e ainda poderia ser deletéria pela possibilidade de maior risco trombose tardia, o que, nesse estudo, parece não ocorrer.

MAIORES DETALHES NO LINK ABAIXO

Sumário:

Hipótese: Em vasos de maior diâmetros (>=3mm), Comparando-se Stent Metálico Convencional ( BMS) com Stent Eluidos de 1 geração, adicionaria pequeno benefício em redução de necessidade de reintervenção no vaso alvo e poderia aumentar morte cardiovascular  

Objetivo Primário: Confirmar ou refutar a hipótese      Objetivo Senudário: Avaliar a hipótese no Stents farmacológicos de Segunda geração

Desenho: Propresctivo, Randomizado, multicentrico ( 11 centros, 4 países), análise por Intention – to – treat

Inclusão: 2314 pacitente com indicação de angioplastia ( necessidade de Stents > = 3 mm)

– Stent Farmacológico 1geração – SES: Sirolimus ( Cypher select)   Stent Metálico- BMS : Cobalto- cromium ( Vision)   e Stent farmacológico 2 geração- EEV: Everolimus (Xience V)

Seguimento: Após 12 meses e 24 meses ; AAS + Clopidogrel por 12 meses para todos

Desfecho Primário: Morte Cardiovascular e IAM em 24 meses ; a) SES x BMS  b) EES x BMS   c)  SES x BMS

Desfecho secundário: Morte Cardíaca e IAM tardios ( 7-24meses) =”segurança” ; Necessidade de Reintervenção de vaso alvo ( não relacionada a IAM)= “Eficácia”; Morte, Morte cardíaca, IAM, trombose de Stent , MACE

CONCLUSÂO:

-Aumento de Morte cardíaca Tardia relacionada a Stent farmacológicos em vasos de maior diâmetro não foi confirmada ( tendência a mostrar redução de mortalidade)

– Ambos os Stents farmacológicos ( 1 e 2 geração ) demonstraram eficácia em reduzir necessidade de reinternvenções comparados com BMS

– Sem direnças em termos de segurança e eficácia entre os Stents farmacológicos de 1 e 2 geração.

  

FONTE: http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMoa1009406

 

 

 

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Andre Lima

Andre Lima

Editor do site --
Especialista em Cardiologia pela SBC e InCor/ USP --
Especialista em Ecocardiografia pela SBC e InCor/USP --
Especialista em Terapia Intensiva pela AMIB --

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: