Coronariopatia Miscelânia

Cardiotoxicidade dos quimioterápicos – parte 02

Cardiotoxicidade dos quimioterápicos : Isquemia miocárdica.

O câncer induz um estado pró-trombótico por vários mecanismos, incluindo ativação e agregação plaquetária, como também aumento de fatores pró-coagulantes. Além disso,  esses pacientes são ainda expostos geralmente à tratamento quimioterápico e/ou radioterápico que pode aumentar a incidência e gravidade da coronariopatia.

Assim, os quimioterápicos mais associados à isquemia miocárdica são:

– Anti-metabólicos (capecitabina e fluorouracil)

– Anti-microtúbulos (paclitaxel e docetaxel)

– Anticorpos monoclonais (bevacizumabe)

– Inibidores da tirosina-quinase (sorafenibe, sunitinibe)

– Alcalóides da vinca (vincritina, vinorelbina)

Como pacientes oncológicos podem ser submetidos à cirurgias não cardíacas com maior frequência, tem maior risco de plaquetopenia, mais predisposição à trombose e potencial interação medicamentosa, algumas condutas devem ser pensadas com cuidado.

O uso de stent farmacológico nesses pacientes tem sido discutido em alguns centros, já que necessita de antiagregação dupla por tempo mais prolongado e tem maior risco de trombose tardia, já que são revestidos por fármacos antiproliferativos para minimizar reestenose intra-stent.

Referência: I Diretriz Brasileira de Cardio-Oncologia da SBC. Kalil FR et al. Arq Bras Cardiol 2011 96(2):1-52.

Publicidade

Banner Atheneu

Banner Curso Pré Operatório

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto:
X