Insuficiência Cardíaca

CHAMPION trial: swan ganz ambulatorial?

   

Trial publicado esta semana no JAMA mostra uma alternativa interessante para o manejo de pacientes com ICC classe funcional 3. Trata-se de um dispositivo implantável que fica na artéria pulmonar dando ao médio a informação das pressões neste local (imagem acima). O aparelho é wireless e assim não possui fios que o conectem com o exterior.  

No estudo foram incluídos 550 pctes. Todos foram submetidos ao implante do dispositivo mas apenas em 270 o tratamento era guiado pelas medidas do aparelho. Os outros 280 eram manejados da forma tradicional (não guiada pelo dispositivo). Para quê implantar o dispositivo em um pcte em que ele não vai estar influenciando no tratamento? Para que não haja efeito placebo relacionada ao implante do equipamento. Isto já foi feito por exemplo em trabalhos que avaliaram o efeito de marcapasso em pctes com síncope vasovagal tipo cardioinibitória. Viu-se que parte dos pacientes parou de ter síncopes só pelo fato de ter-se implantado o marcapasso, mesmo o aparelho estando desligado.  

O que se observou é que o grupo que era tratado guiado pelas informações do aparelho obteve uma redução de 30% no número de internações por icc descompensada no período de 6 meses. Nestes pctes havia um protocolo que guiava a modificação das medicações quando as pressões de artéria pulmonar ultrapassavam determinado valor. Basicamente aumentava-se as doses de diuréticos ou de vasodilatadores nestes casos. Enquanto o grupo intervenção teve em média cerca de 9 alterações na prescrição ao longo de 6 meses o grupo controle teve a receita alterada em apenas 4 vezes, em média. Foram detectados poucos efeitos colaterais da terapia mais agressiva, como hipotensão postural por exemplo (<10% dos casos de grupo intervenção). A taxa de complicações relacionada ao implante do dispositivo foi pequena (<2% dos casos).  

Mais uma vez a tecnologia traz novas formas de se abordar pctes com cardiopatias graves.  

Referência: Abraham WT, Adamson PB, Bourge RC, et al. Wireless pulmonary artery hemodynamic monitoring in chronic heart failure: a randomized controlled trial. Lancet 2011; DOI:10.1016/S0140-6736(11)60101-3.

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

4 comentários

    • Neto, basicamente mede pressões em artéria pulmonar – media, diastolica e sistolica. Não mede debito cardíaco nem resistência vascular. No artigo do estudo ele coloca um gráfico de como aparece no monitor do computador para o médico as medidas das pressoes pulmonares ao longo dos dias da semana. Bem interessante.

  • Complicada a questão de evitar o efeito placebo heim… Submeter a implante somente para evitar este viés estatístico não parece eticamente correto na minha opinião. Vou ler este artigo atendo as complicaç?es do procedimento.

  • Délcio,
    também acho complicado e, se fosse pcte, não sei se concordaria em participar do estudo. Mas o fato é que isso não é incomum em estudos. A taxa de complicações no estudo foi bem baixa (<2% se não me engano).

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: