Arritmia Bulário

Como eu uso Sotalol

Escrito por Fernando Figuinha

Esta publicação também está disponível em: Português

Sotalol é um betabloqueador (portanto, um antiarrítmico da classe II de Vaughan-Willians) com propriedades antiarrítmicas também da classe III de Vaughan-Willians, que leva a um prolongamento da duração do potencial de ação (mesma classe da amiodarona). Ele tem ação não seletiva, atuando nos receptores beta 1 e beta 2, levando à redução de frequência cardíaca e leve redução da força de contração (efeito inotrópico negativo). Isso levaria a uma redução do consumo de oxigênio no miocárdio e uma redução do trabalho cardíaco.

Os efeitos de betabloqueio podem ser observados já com doses baixas, mas os efeitos de antiarrítmicos classe III ocorrem com doses acima de 160mg/dia.

Os efeitos de betabloqueio levariam à um aumento da duração do ciclo sinusal e diminuição da condução atrioventricular. Quando desejamos efeitos como o prolongamento do período refratário em músculos atrial, ventricular e em vias acessórias, se houver, precisamos dos efeitos de classe III, atingidos com dose acima de 160mg/dia.

Lembrando que nesses casos precisamos ficar atentos ao prolongamento do intervalo QTc, que pode ter consequências graves e deve ser sempre avaliado.

O seu efeito na pressão arterial sistêmica em pacientes normotensos é muito discreta, sendo bem tolerados . Já em pacientes hipertensos, leva à reduções mais significativas de pressão arterial sistólica e diastólica.

Após administração oral, atinge níveis máximos em 2,5 a 4 horas, e tem uma meia-vida de 7-15h. A absorção é reduzida em 20% se administrado junto com as refeições. 80-90% da droga é eliminada na urina na forma inalterada.

Vem na apresentação de 120 ou  160mg por comprimido.

Deve ser administrado preferencialmente 1 a 2 horas antes das refeições. A dose inicial é 80mg 2x por dia, podendo ser ajustada a cada 2-3 dias para 240 a 320mg diários. Em casos extremos pode ser utilizada a dose de 320mg 2xd, mas pesando sempre o risco-benefício.

Lembrar de suspender outras medicações cronotrópicas negativas antes do uso. Se em uso prévio de amiodarona, avaliar o intervalo QT antes de iniciar sotalol.

Para angina, pode ser utilizado na dose de 160mg/dia, administrada em 1 ou 2 doses diárias.

INDICAÇÕES

Sotalol é indicado no tratamento de taquiarritmias, tanto para taquiarritmias supraventriculares, como taquicardia atrial paroxística, fibrilação atrial, taquicardia atrioventricular relacionado com a presença de vias acessórias, como no tratamento de taquiarritmias ventriculares.

É efetivo no controle de arritmias em pacientes com cardiomiopatia arritmogênica de VD.

evidências para uso para manutenção de ritmo sinusal após cardioversão de FA ou flutter.

Em pacientes com angina, o uso de sotalol pode também reduzir a incidência e gravidade das crises de dor.

CONTRAINDICAÇÕES

Não deve ser utilizado em pacientes com asma brônquica ou DPOC (relativa); se hipersensibilidade aos componentes da droga; se choque cardiogênico ou se anestesia que produza depressão do miocárdio; para pacientes com bradicardia sinusal sintomática ou bloqueio AV avançado; se IC descompensada ou disfunção ventricular sistólica, Insuficiência renal ou síndrome do QT longo adquirida.

Lembrando que para IC com fração de ejeção < 40%, a evidência é para uso de carvedilol, bisoprolol ou succinato de metoprolol, não sendo recomendado uso de sotalol nesses casos.

Devemos evitar também para pacientes com hipertrofia ventricular esquerda, com espessura da septo > 14mm.

EFEITOS COLATERAIS

Paciente podem apresentar dispneia, fadiga (4%), tonturas, cefaleia, febre, bradicardia excessiva ou hipotensão, além do efeito pró-arritmico (3%).

CUIDADOS

Um dos efeitos adversos mais temidos é o prolongamento do intervalo QT e arritmias como torsades de pointes e TV polimórfica. Nos estudos clínicos, sotalol não era iniciado se intervalo QTc > 450ms de base. Assim, após 1 semana de cada ajuste de dose, ou início de medicação, devemos sempre realizar um novo eletrocardiograma para rever o QTc.

A incidência de eventos arrítmicos ocorre em 0,5% dos pacientes com dose de 81-160mg/dia, em 1,8% se 161-320mg/dia, 4,5% se 321-480mg/dia e 6,8% se >640mg/dia.

Em bula, sugere-se suspender ou reduzir a dose se QTc > 550ms.

Cuidado com pacientes com hipocalemia e hipomagnesemia, já que essas condições podem também prolongar o intervalo QT. Idealmente, corrija esses distúrbios hidroeletrolíticos antes do início da medicação. E cuidado com uso de outras medicações que podem prolongar o intervado QT também!

Bradicardia (FC < 50) ocorreu em cerca de 13% dos pacientes em uso de sotalol nos trabalhos.

Se Cr entre 1,2-2,3, usar ¾ da dose normal. Se entre 2,3-3,4 (ou ClCr 30-60ml/min), ½ da dose habitual. E se creatinina acima de 3,4 (ou ClCr 10-30ml/min), usar ¼ da dose normal.

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

%d blogueiros gostam disto: