Nutrição

Como o médico pode fazer orientações sobre nutrição no consultório?

Escrito por Juliana Gropp

Esta publicação também está disponível em: Português

Recentemente a AHA lançou um posicionamento sobre estilo de vida saudável. Nele, foram elencados 5 pilares do estilo de vida saudável (vide figura abaixo). Um dos pilares mais relevantes é o da nutrição através de uma alimentação saudável. Mas, como orientar seu paciente de forma objetiva em relação à alimentação? Recomendações genéricas como: evite frituras, coma muitas frutas e verduras, entre outras são pouco objetivas e, portanto, difíceis de serem seguidas. Tem como passar recomendações mais objetivas? Certamente. É isso que vamos revisar nesse post.

Para individualizar as orientações é preciso, inicialmente, conhecer os hábitos de nutrição do seu paciente. Você pode incluir na anamnese algumas perguntas para identificar o padrão alimentar que ele está seguindo. Perguntar ao paciente, por exemplo, se ele consome:

  • Lanches e fast food no lugar das refeições?
  • Menos de 2 porções de frutas por dia?
  • Menos de 2 porções de verduras e legumes por dia?
  • Mais de 200g (2 bifes grandes) de carne vermelha por dia?
  • Usa embutidos e carnes processadas (presunto, peito de peru, linguiça, salsicha, salame)?
  • Farinhas e cereais refinados (pães brancos, bolachas e biscoitos, massas)?
  • Doces mais de 2 vezes ao dia?
  • Frituras?
  • Refrigerantes ou sucos adoçados com açúcar (tipo néctar)?
  • Manteiga ou banha?

Ao identificar quais são os principais hábitos prejudiciais presentes, você pode propor mudanças gradativas. É interessante que o paciente participe desta decisão e opine sobre quais hábitos ele se dispõe a mudar, pois isso vai ajudar na adesão ao tratamento. Comece por duas ou três metas e reavalie no retorno.

Dicas práticas de nutrição:

  1. Lanches e fast food => reduzir para, no máximo, 1 refeição/semana. Substituir por preparações caseiras ou refeições equilibradas de restaurantes.
  2. Frutas => acrescentar mais 1 porção por dia. Adicionar frutas frescas, secas ou congeladas aos lanches intermediários.
  3. Verduras e legumes => acrescentar mais 1 porção por dia. Adicionar vegetais frescos ou congelados ao almoço ou jantar.
  4. Refrigerantes, sucos ou outras bebidas adoçadas com açúcar => reduzir 1 porção por dia. Substituir por água ou chá sem adoçar.
  5. Leguminosas (feijões), oleaginosas, frango ou peixe => aumentar 1 porção por semana. Substituir carnes vermelhas por frango ou peixe.
  6. Sobremesas e outros doces => reduzir 1 porção por semana. Substituir 1 doce por 1 porção de fruta.
  7. Uso de manteiga e/ou gordura animal => reduzir o uso no preparo de alimentos / reduzir consumo de banha e gordura das carnes. Substituir manteiga por azeite de oliva, ervas e especiarias.
  8. Uso de sal na culinária ou à mesa => reduzir o sal utilizado para temperar. Substituir por ervas e especiarias.
  9. Bebidas alcoólicas => Homens ≤ 2 doses por dia / Mulheres ≤ 1 dose por dia. Substituir por bebidas não calóricas – água com gás, suco de limão.

Estas pequenas mudanças gradativas são suficientes para trazer mais qualidade à alimentação do paciente. À medida que ele incorpora os novos hábitos e entende que é possível melhorar, você pode propor outras metas nas consultas seguintes.  É uma estratégia individualizada e viável para estimular a mudança de estilo de vida.

Fonte:

KRIS-ETHERTON, Penny M. et al. Strategies for Promotion of a Healthy Lifestyle in Clinical Settings: Pillars of Ideal Cardiovascular Health: A Science Advisory From the American Heart Association. Circulation, 2021.

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Juliana Gropp

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

 

%d blogueiros gostam disto: