Pericardiopatias Semiologia

De onde veio o termo pulso paradoxal? Por que este nome não é adequado?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Já falamos bastante sobre pulso paradoxal neste post. Um detalhe que não falamos lá é de onde surgiu este termo. Quando vamos ver o significado do termo paradoxo no dicionário, um sentido apontado é de evento sem nexo, sem explicação. Kussmaul (sim, aquele mesmo do sinal de Kussmaul que ocorre na percardite constritiva) usou este termo pela primeira vez em um artigo 1873. Nele, relatava a queda acentuada ou mesmo desaparecimento do pulso radial em pacientes com pericardite constritiva. Ao observar que o ictus cardíaco não mudava absolutamente nada na inspeção mas o pulso radial desaparecia durante a inspiração, cunhou o nome já que não conseguia definir um mecanismo claro que explicasse o achado.

E por que este termo não é adequado nos dias de hoje? Porque sabe-se muito bem qual a gênese do pulso paradoxal, como vocês podem ler no nosso post prévio. De forma sucinta:

  • pulso paradoxal nada mais é que uma exacerbação de um fenômeno fisiológico (queda da PA durante a inspiração)

Gosta de dicas rápidas sobre semiologia cardíaca? Veja nosso curso online que será lançado em Agosto no nosso site de cursos.

Referências:

Kussmaul A. Ueber schweilige Mediastino-Pericarditis und den paradoxen Puls. Berl Klin Wochenschr 1873; 10:37-39. 9.

Jules Constant. Semiologia cardíaca: diagnóstico e tratamento junto ao leito. 2002.

Publicidade

Banner Atheneu

Banner Curso Pré Operatório

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: