Coronariopatia

Estudo SPICE: efeitos do esomeprazol e das estatinas na ação do clopidogrel

 

Os primeiros resultados do estudo SPICE – Statins and Proton-Pump Inhibitors on Clopidogrel Antiplatelet Effects – foram apresentados essa semana no congresso canadense de cardiologia.

Nesse estudo, foram avaliados 350 pacientes pós-angioplastia que receberam alta com clopidogrel e sem inibidor de bomba de prótons (IBP); na randomização inicial, foi prescrito rosuvastatina 20mg ou atorvastatina 80mg. Avaliada a agregabilidade plaquetária após 30 dias. Não houve diferença entre as estatinas. Assim, em relação ao impacto do uso da estatina na agregabilidade plaquetária, a rosuvastatina foi tão boa (ou tão ruim) quanto a atorvastatina.

Após 30 dias, os 302 pacientes que continuaram no estudo foram randomizados novamente para receber esomeprazol (Nexium – AztraZeneca), pantoprazol, omeprazol ou ranitidina. Após 60 dias, os testes de agregabilidade plaquetária foram repetidos. Não houve diferença entre o pantoprazol e a ranitidina. O esomeprazol foi a medicação que mostrou a maior alteração na agregabilidade plaquetária, com mais de 35% dos pacientes apresentando pelo menos 10% de piora nos testes de agregabilidade plaquetária. O omeprazol também mostrou aumento na reatividade plaquetária.

Assim, o esomeprazol parece ser tão ruim ou até pior que o omeprazol em reduzir os efeitos anti-plaquetários do clopidogrel.

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

5 comentários

    • Na verdade o que acontece é que o clopidogrel é convertido no seu metabólito ativo pelo citocromo P450, que é a mesma enzima envolvida no metabolismo de inibidores de bomba de prótons, como o omeprazol e o esomeprazol.

  • Boa tarde Fernando! Um excelente assunto para ser discutido…. Tentei buscar artigos sobre osteoporose e inibidores da bomba de prótons e não encontrei nada significativo, apenas comentários de que o uso continuo de omeprazole traria redução da densidade mineral óssea. Me pergunto se é exclusivo para ele ou serviria para todos…. Na área da cardiologia o uso dessas drogas é mandatório pela necessidade de antiagregantes entre outros….O bom senso manda usar com cautela, mas e aqueles que usam de forma continua? Qual a tua posição quanto ao menos impactante nesse contexto? Novamente parabenizo o grupo pelos assuntos abordados, sou um seguidor assíduo desse blog! Abraço!

    • Pelo o que eu li, o problema parece estar relacionado à uma diminuição da absorção de cálcio devido à supressão da secreção ácida do estômago…assim, estaria relacionados à todos, e não só ao omeprazol (não teria diferença entre os IBP). Mas vários estudos de caso-controle realizados que sugerem um maior risco de fraturas com inibidores de bomba de prótons apresentam diversas críticas quanto à metodologia, como quanto à estratificação de outros fatores de risco para fratura etc. Eu acho que esse assunto ainda não está definido…eu não pararia de usar um IBP pelo risco de fratura por enquanto.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: