Arritmia Insuficiência Cardíaca Marcapasso

Existe Miocardiopatia Induzida pelo Bloqueio de Ramo Esquerdo?

Pedro Veronese
Escrito por Pedro Veronese

Esta publicação também está disponível em: pt-brPortuguês esEspañol

Pacientes com diversas causas de miocardiopatia podem, frequentemente, evoluir com bloqueio de ramo esquerdo (BRE). Nesta situação, o BRE é consequência da miocardiopatia. Mas e o oposto, é possível? Ou seja, indivíduos sem qualquer miocardiopatia, que apresentam apenas um BRE, e este, por si só, leva à disfunção ventricular esquerda.

Veja, há mais de uma década já se sabe que um BRE pode causar dissincronia intraventricular e interventricular – do ventrículo direito (VD) em relação ao ventrículo esquerdo (VE). Em outras palavras, o VD geralmente se contrai vários milissegundos antes do VE, o que causa perda progressiva da função ventricular. Muitas miocardiopatias, em estágios avançados lesam o ramo esquerdo e o BRE aparece como consequência da doença muscular, piorando ainda mais o prognóstico do paciente.

Mas este post se refere a uma situação que é exatamente inversa a descrita acima. Pacientes sem qualquer doença miocárdica, que acabam evoluindo com BRE, e este, por sua vez, leva à disfunção ventricular esquerda pela dissincronia produzida. Há pelo menos duas situações na prática clínica em que isso ocorre:

1. Após implante de TAVI (transcatheter aortic valve replacement). Nesta situação há um BRE que se instala agudamente pela manipulação no anel mitro aórtico.

2. Quando há a degeneração/calcificação do sistema de condução (doença de Lev-Lenègre). Nesta segunda situação há uma instalação do BRE de forma mais crônica. Esses indivíduos, quando acompanhados prospectivamente podem evoluir com progressiva disfunção ventricular, que melhora após implante de um ressincronizador cardíaco, que corrige a dissincronia causada pelo bloqueio.

A esse fenômeno dá-se o nome de miocardiopatia induzida pelo BRE. Vaillant e cols. publicaram em 2013, um estudo que demonstrou melhora significativa da fração de ejeção do VE, redução dos diâmetros do VE e da duração do complexo QRS após terapia de ressincronização cardíaca (TRC) nesses pacientes.

Dica: sempre que tiver um paciente com disfunção ventricular esquerda e BRE, que após extensa investigação não apresente uma causa para a sua miocardiopatia, pense na possibilidade de miocardiopatia induzida pelo BRE. Esses indivíduos podem se beneficiar da TRC.

Referências:

  1. Auffret V e cols. Idiopathic/Iatrogenic LeftBundle Branch Block-Induced Reversible Left Ventricle Dysfunction: JACC State-of-the-Art Review. J Am Coll Cardiol. 2018 Dec 18;72(24):3177-3188.
  2. Vaillant C e cols. Resolution of left bundle branch block-induced cardiomyopathy by cardiac resynchronization therapy. J Am Coll Cardiol. 2013 Mar 12;61(10):1089-95. doi: 10.1016/j.jacc.2012.10.053. Epub 2013 Jan 23.

Curso Preparatório

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Pedro Veronese

Pedro Veronese

Médico Especialista em Çlínica Médica pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.
Médico Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC.
Médico Especialista em Arritmia Clínica e Eletrofisiologia pela Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas - SOBRAC.
Médico do Centro de Arritmias Cardíacas do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.
Doutor em Cardiologia pelo InCor - FMUSP.
Preceptor da Residência de Clínica Médica do Hospital Estadual de Sapopemba e Hospital Estadual Vila Alpina.
Médico Chefe de Plantão do Pronto Socorro Central da Santa Casa de São Paulo.
Professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
Professor da Faculdade de Medicina UNINOVE.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: