Arritmia

Já ouviu falar na Holiday Heart Syndrome?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Já vimos em post prévio que o consumo de álcool eleva o risco de fibrilação atrial (FA). Isso pode ocorrer mesmo em pessoas que não habitualmente não bebem. Em 1978 foi descrita pela primeira vez a chamada Holiday Heart Syndrome (HHS) após notar episódios de FA aguda em 24 pacientes após libação alcoólica. A arritmia pode surgir até 36 horas após o consumo do álcool. Os mecanismos principais são:

1- ativação simpática – estudos mostram elevação de 17% da frequência cardíaca 12 horas após consumo intenso de álcool

2- efeito diurético do álcool, o qual pode causar alterações eletrolíticas

3- acetaldeído, derivado do álcool, funciona como uma toxina cardíaca direta, podendo deflagar arritmias

Os episódios de FA nestes casos costumam ser autolimitados, revertendo espontaneamente em até 24h.

Quer dizer que o álcool aumenta basicamente risco de DA, certo? Na verdade, é mais complicado que isto. Há vários estudos mostrando aumento do mortalidade cardiovascular associado ao consumo de bebidas alcoólicas. Isto é particularmente relatado em pacientes com histórico de cardiopatia prévia. Como há estudos mostrando alargamento do intervalo QTc causado por álcool, é provável que este maior risco cardiovascular esteja associado à maior ocorrência de arritmias ventriculares malignas como fibrilação ventricular e taquicardia ventricular.

Referência: Voskoboinik A et al. Alcohol and Atrial Fibrillation A Sobering Review. J Am Coll Cardiol 2016.

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: