Insuficiência Cardíaca

LIFE: vale a pena usar sacubutril-valsartana para pacientes com IC avançada?

Profilaxia de endocardite
Escrito por Fernando Figuinha

Esta publicação também está disponível em: Português Español

O estudo PARADIGM-HF mostrou que o uso de sacubitril-valsartana foi superior à terapia com enalapril em pacientes com IC com fração de ejeção reduzida.  Mas menos de 1% dos pacientes incluídos tinham NYHA IV. Assim, foi desenhado o estudo LIFE, que teve como objetivo avaliar  o uso de sacubitril-valsartana em pacientes com IC com FE reduzida (≤ 35%) com sintomas mais limitantes, em NYHA IV.

Como foi o desenho do estudo?

  • Estudo prospectivo com seguimento de 24 semanas, multicêntrico, duplo-cego, comparado com valsartana.
  • 335 pacientes com NYHA IV, com BNP ≥ 250 e NT-proBNP ≥ 800 pg/mL.
  • Run-in de 3-7 dias com Sacubitril-Valsartana 24/26 2xd. Após esse período, utilizariam Sacubitril-Valsartana com dose alvo de 97/103 2xd OU Valsartan 160mg 2xd.
  • O desfecho primário foi a mudança proporcional da área abaixo da curva dos níveis de NT-proBNP avaliadas em 24 semanas.
  • Desfechos secundários incluíram desfechos clínicos, segurança e tolerância.
  • Devido ao COVID-19, o recrutamento de pacientes foi interrompido antes do previsto.

Quais foram os resultados?

  • 335 pacientes randomizizados
  • Idade média de  58-60 anos. Sexo feminino correspondeu a 26-28%.
  • Nenhum dos grupos mostrou melhora nos níveis de BNP.
  • Não houve diferença em hospitalização ou morte cardiovascular, nem em hospitalização isolada, apesar de não ter poder suficiente para mostrar uma diferença significativa.
  • Tivemos mais hipercalemia no grupo sacubitrila, sem outros problemas de segurnaça.

Resumindo, sacubitril-valsartana não foi superior a valsartana em reduzir NT-pro BNP!

Lembrando que foi um estudo pequeno e de duração menor que os outros trials com o sacubitril-valsartana.

Os resultados do estudo LIFE são consistentes com observações anteriores, que sugerem que conforme a insuficiência cardíaca avança, a ativação excessiva e crônica do sistema renina-angiotensina aldosterona pode amenizar o efeito dos peptídeos natriuréticos no coração, vasculatura ou rins. Seria uma população que não se beneficiaria desssa droga, diferente do que observamos em pacientes com IC em classe funcional II-III.

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

 

%d blogueiros gostam disto: