Insuficiência Cardíaca Miocardiopatias

CDC alerta para  risco de miocardite após vacinação para COVID-19

Escrito por Dirceu Melo

Esta publicação também está disponível em: Português

Em publicação recente o Center of Disease Control nos Estados Unidos emitiu alerta sobre casos de miocardite aguda após vacinas para COVID, principalmente as com tecnologia de RNA (Biontech-Pfizer e Moderna). Até o momento, mais de 300 casos já foram relatados e incluem predominantemente pacientes adolescentes e adultos jovens do sexo masculino. Com os dados atuais, estima-se que ocorra um caso a cada 12 milhões de doses de vacina aplicadas.

Casos de miocardite pós vacina não são novidade, e há casos descritos após vacinas para varíola, influenza e hepatite b. Dados do CDC apontam que a miopericardite representa 0,1% das complicações relacionadas a vacinas. Em estudo recente publicado no Circulation, são descritos sete casos de miocardite após vacinação para covid em homens com menos de 40 anos. Seis pacientes receberam vacina RNA e um recebeu de adenovírus (Jansen). Os principais sintomas foram febre, dor torácica e dispneia entre o 2º e 4º dia após dose da vacina. Infecção ativa pelo coronavírus foi descartada em seis casos com RT-PCR e em todos os casos a ressonância cardíaca revelou realce tardio mesocárdico após infusão de gadolínio. Anticorpos IgG “anti-spike” foram identificados em quatro casos. Os sete casos apresentaram completa resolução dos sintomas após terapia de suporte e evoluíram sem sequelas.

 Os mecanismos fisiopatológicos que explicam a miocardite pós vacina ainda não estão elucidados. Análises exploratórias tem sugerido produção aumentada de autoanticorpos  e subtipos específicos de linfócitos natural killer,  o que poderia indicar resposta imunológica inapropriada à vacina e mecanismo autoimune. De toda forma, é importante destacar que a miocardite após vacinação para covid é extremamente rara e habitualmente tem curso benigno. Além disso, diante de uma caso suspeito, é fundamental estabelecer relação temporal próxima (poucos dias), assim como descartar infecções virais ativas e outras causas de miocardite (toxinas, doenças autoimunes). Por fim, embora o monitoramento de casos seja importante, não devem ser utilizado para criar ressalvas em relação à vacina, diante dos evidentes benefícios na redução de mortes e hospitalizações pela covid.

Referências:

  1. In Depth Evaluation of a Case of Presumed Myocarditis Following the Second Dose of COVID-19 mRNA Vaccine. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.121.056038
  2. Myocarditis Temporally Associated with COVID-19 Vaccination. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.121.055891
  3. Su JR, McNeil MM, Welsh KJ et al. Myopericarditis after vaccination, Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), 1990-2018. Vaccine 2021;39:839-845.

 

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Dirceu Melo

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

%d blogueiros gostam disto: