Insuficiência Cardíaca Métodos complementares

A ressonância magnética cardíaca pode ajudar a diferenciar os tipos de cardiopatia?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

A ressonância magnética cardíaca (RMC) pode ajudar bastante no diagnóstico diferencial de várias cardiopatias. Isso pode ser feito através da técnica do realce tardio. Através desta, conseguimos identificar os locais do músculo cardíaco que apresentam fibrose. Mas em que isso pode me ajudar?

Dica:

  • Quando a fibrose miocárdica é decorrente de infarto prévio, sempre a porção subendocárdica está acometida. Por que isso? Porque o subendocárdio é a porção que fica mais longe das coronárias (as quais são epicárdicas) e porque a tensão sobre o músculo cardíaco é maior nesta região já que fica em íntimo contato com o sangue dentro da cavidade ventricular.
  • Ou seja, não teve acometimento subendocárdico, não é isquêmico.

Além disso, várias outras cardiopatias não isquêmicas podem gerar padrões típicos de fibrose. Veja esta imagem retirada do nosso livro Cardiologia Cardiopapers.

Curso Preparatório

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto:
X