Coronariopatia Lípides

SATURN: Atorvastatina x Rosuvastatina

O estudo SATURN é um estudo randomizado, prospectivo, multicêntrico, duplo-cego, realizado para comparar os efeitos do tratamento intensivo com atorvastatina 80mg x rosuvastatina 40mg na progressão da aterosclerose coronariana, bem como a segurança dessas doses.

Após 104 semanas de tratamento em 1039 pacientes, o grupo que utilizou rosuvastatina apresentou menores valores de LDL (62,6 x 70,2 mg/dl) e maiores valores de HDL (50,4 x 48,6mg/dl) – p <0,001 e 0,01, respectivamente. O end point primário (volume percentual do ateroma, medido por ultrassonografia intravascular) reduziu 1,22% x 0,99% no grupo atorvastatina (p = 0,17). 60 a 70% dos pacientes apresentaram algum grau de regressão das placas.

Quanto à segurança, os eventos adversos do tratamento intensivo foram aceitáveis (segundo os autores). Houve uma elevação de TGP de 2% dos pacientes do grupo atorvastatina X 0,7% do grupo rosuvastatina (p = 0,04).

Esses resultados são diferentes de outros estudos prévios; o estudo REVERSAL, por exemplo, mostrou que a atorvastatina 80mg evitou a progressão da aterosclerose, porém não levou à regressão (diferente de 60% dos pacientes do SATURN). Além disso, devemos lembrar que regressão da aterosclerose não necessariamente significa que haverá impacto clínico positivo com o tratamento nessas doses.

Referência: Nicholls SJ, Ballantyne CM, Barter PJ, et al. Effect of two intensive statin regimens on progression of coronary disease. N Engl J Med 2011:365(22):2078-87.

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

1 comentário

  • É sempre bom lembrar que embora totalmente ignorado, Dean Ornish já havia mostrado regressão de aterosclerose coronariana com mudança de estilo de vida apenas em 1998 (PMID: 9863851).
    Hoje os ensaios são conduzidos sem que os participantes percam peso (e costumam ter alta prevalência de obesos e síndrome metabólica), parem de fumar ou tenham começado a se exercitar ao final do estudo. Os grupos controles não usam mudança intensiva de estilo de vida – seriam anti-éticos (vide ASTEROID, REVERSE, ARBITER e etc)?

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: