Insuficiência Cardíaca

Sotagliflozina e o bloqueio duplo SGLT2 / SGLT1. Qual é o seu papel em comparação com as outras drogas de sua classe?

Esta publicação também está disponível em: Português Español

Os conhecidos receptores SGLT2 expressos no tubo proximal renal são responsáveis ​​pela reabsorção de 90% da glicose filtrada. Por outro lado, os SGLT1 são responsáveis ​​pela reabsorção de glicose e galactose principalmente no trato gastrointestinal e com uma pequena quantidade de receptores SGLT1 também no rim, é feita a reabsorção dos 10% restantes da glicose. Assim, em tese, um bloqueio duplo teria uma potência aumentada.

Tentando responder essa questão, foi desenvolvido o SCORED TRIAL, que buscou avaliar se a Sotagliflozina teria efeitos benéficos na população com diabetes e insuficiência renal. Como dado importante, apenas 20% da população incluída no estudo apresentava disfunção ventricular. Lamentavelmente o estudo foi interrompido precocemente devido à perda de financiamento pela atual pandemia e além do mais, o objetivo principal foi alterado, o que levanta algumas dúvidas sobre os resultados e pode até mesmo superestimar os benefícios encontrados.

O benefício foi demonstrado no desfecho primário composto de mortalidade cardiovascular, hospitalizações por insuficiência cardíaca e visitas ao pronto-socorro por insuficiência cardíaca. Bem, como um benefício mais modesto em outros desfechos fortes (morte cardiovascular, infarto não fatal e evento cerebrovascular não fatal). Os efeitos adversos foram geralmente bem tolerados, mas com maior quantidade eventos no grupo da Sotagliflozina.

Outro ensaio diferente com a Sotagliflozina, o SOLOIST-WHF TRIAL, buscou testar a eficácia desse medicamento em pacientes diabéticos internados por insuficiência cardíaca descompensada, iniciando o medicamento em pacientes após estabilização do quadro agudo. Um total de 1.222 foram randomizados e acompanhados por uma média de nove meses. A primeira dose do medicamento foi administrada antes da alta em cerca de 50% dos pacientes e em média, até 2 dias após alta hospitalar nos demais.

Foi demonstrada uma redução de 33% nos eventos em relação ao placebo (objetivo primário: morte cardiovascular, hospitalizações e visita ao pronto socorro por insuficiência cardíaca). Isso abre as portas à possibilidade de iniciar esses medicamentos no ambiente hospitalar.

Além disso, o SOLOIST queria mostrar que a droga é eficaz, não só na insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida, mas também com fração de ejeção preservada, visto que seu benefício é mantido no subgrupo especificado com fração de ejeção superior ao 50%. Na verdade, este é o primeiro medicamento que em um ensaio randomizado mostra resultados cardiovasculares em insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada. Embora, lembremos que é apenas análise de subgrupo. E mais importante, provavelmente seja um efeito de classe.

Em conclusão, a Sotagliflozina poderia se posicionar como uma opção as demais gliflozinas. No entanto, fica a dúvida se terá algum papel na prática clínica em relação às estabelecidas Empagliflozina e Dapagliflozina, uma vez que não apresentou um benefício adicional importante (que imaginávamos era o objetivo do duplo bloqueio) e apresentou uma taxa maior de eventos adversos. Por outro lado, mostrou que podemos iniciar o medicamento após a estabilização de um paciente internado por insuficiência cardíaca aguda e abriu a interrogante do seu uso em pacientes com fração de ejeção preservada, hipótese que outros estudos já estão tentando responder.

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Kevin Rafael De Paula Morales

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

%d blogueiros gostam disto: