Lípides

Trabalhos clássicos de dislipidemias: WOSCOPS

– Trabalho publicado na New England em 1995. 

– Estudo randomizado, duplo cego

– Critérios de inclusão – homens com LDL > 155 e sem IAM prévio. Pctes com angina estável mas sem internação por este motivo no último ano podiam ser randomizados. 

– Randomizado 6.595 pctes em 2 grupos – placebo x pravastatina 40 mg/d. Follow-up médio de 4,9 anos.

– End point primário – IAM + morte por doença coronariana

– O LDL médio dos pctes que participaram do estudo era 192. 

– O desfecho primário caiu de 7,9% para 5,5% no grupo estatina. As curvas começaram a divergir já com 6 meses de tratamento.

– Houve diminuição de morte por causa cardiovascular. Esta saiu de 2,3% para 1,6% com o uso de estatina.

– Também houve diminuição do número de cateterismos e de procedimentos de revascularização com o uso da estatina (NNT de 71 e de  125, respectivamente). 

– A pravastatina diminui em 26% os níveis de LDL. 

– Não houve diferença estatisticamente significante de elevacão de transaminases nos 2 grupos. Aumento de CPK > 10x o limite superior da normalidade ocorreu em 3 pctes do grupo da pravastatatina e em 1 caso do grupo controle.

COMENTARIOS

– Diferente do AFCAPS/texCAPS este estudo de prevenção primária mostrou diminuição de mortalidade cardiovascular com o uso de estatinas. O NNT contudo foi de 143 – ou seja, temos que tratar 143 pctes similares ao do estudo com pravastatina por 5 anos para evitar uma morte por causa cardiovascular. Este efeito pode ser considerado pequeno. Para uma boa revisão sobre NNT, acessar este link. Houve uma tendência de redução similar de mortalidade geral mas como o p foi de 0,051 o resultado apenas sugere benefício, não confirma. Mortalidade geral sempre é um dado mais confiável do que mortalidade cardiovascular uma vez que é um parâmetro menos susceptível à subjetividade. Se um pcte deste estudo sofre uma morte súbita, sem sintomas prévios – colocamos esta morte como de causa cardiovascular ou não? Isto pode gerar subjetividade. Já morte geral não – ou morreu ou não morreu. Não tem meio termo.

– Como o LDL médio dos pctes randomizados neste trial foi de 192, este estudo ajuda a embasar a recomendação da nova diretriz americana de dislipidemias de tratar pctes com LDL acima de 190, independente de escores de risco. 

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: