Coronariopatia Hemodinâmica

Uso de ultrassom intravascular melhora o resultado de angioplastia?

Eduardo Castro
Escrito por Eduardo Castro

Esta publicação também está disponível em: pt-brPortuguês esEspañol

A cinecoronariografia ou angiografia coronariana ainda é considerada o método de imagem padrão-ouro para avaliação da anatomia coronariana. Desde a primeira angioplastia coronariana realizada, a angiografia coronariana também é a modalidade de imagem mais utilizada para guiar as intervenções coronarianas percutâneas (ICP). No entanto, por se tratar de uma “lumenografia”, a angiografia coronariana apresenta algumas limitações: não permite avaliar o real tamanho do vaso e as características da placa aterosclerótica, nem avaliar de maneira mais direta o resultado do implante do stent. Além disso, existe uma grande variabilidade intra e inter-observador.

Diversos estudos demonstraram que um resultado sub-ótimo da ICP está associado a maiores chances de eventos adversos. Será então que o uso de ultrassom intravascular (USIC) é capaz de reduzir o risco de complicações após angioplastia coronariana? Para avaliar isso foi desenhado o estudo ULTIMATE.

Todos os pacientes foram submetidos à angioplastia, randomizados para ATC guiada por USIC (n = 724) versus angioplastia guiada por angiografia apenas (n = 724).

Características de ATC guiada pelo USIC ótima: área transversal mínima> 5,0 mm2 (ou 90% da área da seção transversal de referência distal), sobrecarga de placa nas bordas do stent proximal e distal <50%, sem dissecção da borda envolvendo meio com comprimento > 3 mm

Número total de PACT: 1.448

SEGUIMENTO 12 meses

Critério de inclusão:

1- isquemia silenciosa (teste positivo), angina estável ou instável ou infarto do miocárdio (infarto do miocárdio; incluindo elevação do segmento ST e infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST)> 24 horas do início da dor torácica até a admissão.

Lesão coronariana de novo elegível para implante de stents farmacológicos.

Critério de exclusão:

Co-morbidade com expectativa de vida <12 meses, Intolerante à terapia antitrombótica, Anemia, trombocitopenia ou leucopenia significativa, História de hemorragia importante (intracraniana, gastrointestinal, etc.), lesão de oclusão total crônica em artéria coronária direita descendente anterior, circunflexa esquerda ou coronária direita não re-canalizada, calcificação severa que precisa de aterectomia rotacional.

Principais conclusões:

O desfecho primário, por oclusão do vaso alvo aos 12 meses (morte cardíaca, IM ou revascularização do vaso alvo), ocorreu em 2,9% do grupo ICP guiada por USIC, em comparação com 5,4% do grupo com IC guiada por angiografia (p = 0,019). Entre aqueles que preencheram os critérios para ATC guiado por USIC ótima, pareceu haver um benefício maior com o uso de USIC em comparação com a ATC guiada por angiografia.

Resultados secundários:

Morte cardíaca: 0,7% do grupo de ATC guiada por USIC versus 1,4% do grupo de ATC guiada por angiografia (p = 0,19)
Infarto do miocárdio: 1,0% do grupo de ATC guiada por USIC versus 1,5% do grupo de ATC guiada por angiografia (p = 0,34)

Revascularização do vaso-alvo: 1,5% do grupo de ATC guiada por USIC versus 2,9% do grupo de ATC guiada por angiografia (p = 0,07)
Trombose de stent definida / provável: 0,1% do grupo de ATC guiada por USIC versus 0,7% do grupo de ATC guiada por angiografia (p = 0,10)

Interpretação:

Entre um grupo de todos os pacientes com ATC, a ATC guiada por USIC foi benéfica. ATC guiada por USIC esteve associada a uma menor frequência de oclusão do vaso alvo aos 12 meses em comparação com a ATC guiada por angiografia. Todos os componentes do desfecho composto foram numericamente menores no grupo de ATC guiada por USIC; no entanto, o maior benefício parece estar em reduzir a revascularização do vaso-alvo.

Múltiplos estudos randomizados agora apóiam o uso da orientação do USIC na otimização do implante de stent coronário como um mecanismo para reduzir eventos cardíacos adversos.

Curso Preparatório

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Castro

Eduardo Castro

Eduardo A Castro
Médico da Cardiologia Metropolitano - METROCOR
Especialista em Cardiologia pela SBC, Pos graduação pelo INCOR- FMUSP,
Coordenador da Residência Médica em Cardiologia do Hospital Metropolitano,
Professor de Cardiologia na Multivix.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: