Valvopatias

Você sabe classificar as valvopatias por estágios? Aprenda aqui.

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Esta publicação também está disponível em: pt-brPortuguês esEspañol

A diretriz de 2014 de valvopatias da AHA introduziu uma nova forma de classificar as valvopatias, usando parâmetros similares aos utilizados na insuficiência cardíaca. Seriam 4 estágios:

OK, Eduardo, mas como seria isso na prática? Vamos pegar o exemplo da estenose mitral:

O estágio A seria aquele pcte que, por exemplo, teve febre reumática na infância e que agora no eco tem uma mitral levemente espessada, com abertura em domo mas que isso não gera limitação alguma ao fluxo do átrio esquerdo para o ventrículo esquerdo.

No estágio B isso já progrediria para criar uma limitação ao fluxo, podendo já dilatar um pouco o átrio esquerdo. Mas, no final das contas, a área valvar mitral seria acima de 1,5 cm2.

No estágio C a valvopatia já é ecocardiograficamente importante (ex: AVM < 1,5 cm2) mas ainda sem sintomas. E no estágio D surgem os sintomas.

Mas peraí, Eduardo: desde quando área valvar mitral < 1,5 cm2 define uma estenose mitral como importante? Não era 1 cm2? Isso mudou tem tempo, hein? Desde esta diretriz da AHA de 2014. Então não faz mais sentido usar a classificação prévia.

Curso Preparatório

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: