Bulário

Como eu uso Metildopa

Escrito por Fernando Figuinha

Esta publicação também está disponível em: Português

A alfa metildopa é um inibidor da descarboxilase de aminoácidos aromáticos. Seu efeito anti-hipertensivo deve-se provavelmente à sua transformação em alfa-metilnoradrenalina, que reduz a pressão arterial por estimular receptores inibitórios alfa-adrenérgicos centrais, por falsa neurotransmissão e/ou por redução da atividade da renina plasmática. Por isso é chamado de um anti-hipertensivo de ação central.

A metildopa demonstrou reduzir a concentração tecidual de serotonina, dopamina, noradrenalina e adrenalina. A metildopa é o L-isômero da alfa metildopa, que é a responsável pela ação anti-hipertensiva.

A absorção da metildopa tem amplas variações individuais. Aproximadamente 70% do fármaco por via oral é excretada pela urina. Meia vida plasmática é de 105 minutos. Ela cruza a barreira placentária, aparece no sangue do cordão umbilical e no leite materno.

A redução máxima da pressão arterial ocorre em 4 a 6 horas após a administração. Uma vez atingido o nível de dosagem efetivo, a resposta uniforme da pressão ocorre em 12-24h.

A metildopa não exerce efeito direto na função cardíaca ou na taxa de filtração glomerular. O débito cardíaco se mantém sem elevação da frequência cardíaca. Pode ocorrer até uma redução de FC em alguns pacientes.

INDICAÇÕES

A metildopa vem sendo bastante utilizada e estudada há mais de 50 anos! Vários estudos publicados na década de 60 em revistas como Circulation e Lancet comprovam sua eficácia e segurança no tratamento de hipertensão arterial. No entanto, nos dias atuais, uma das suas melhores indicações seria para doenças hipertensivas da gestação e hipertensão crônica no período gestacional. Isso porque, com sua ampla experiência de uso inclusive nesse cenário, há segurança tanto materna como para o feto para seu uso. As drogas mais indicadas nesse cenário seriam metildopa, betabloqueador (labetalol) e nifedipina.

É categoria B na gestação, podendo ser utilizada com segurança. Na lactação, em geral também é liberada, mas devemos lembrar que a droga aparece no leite materno. Assim, deve ser utilizada com cuidado.

Vem na apresentação de 250mg o comprimido. A posologia habitual é 250mg 2 a 3x por dia nas primeiras 48h. Dose máxima recomendada é de 3000mg/dia.

Se utilizado junto com hidroclorotiazida 50mg, as duas medicações podem ser utilizadas 1x por dia.

Muitos pacientes podem apresentar sedação durante 2-3 dias no início do tratamento ou quando a dose é aumentada.

Em pacientes com disfunção renal, devemos reduzir a dose.

CONTRAINDICAÇÕES

Hepatopatia ativa (hepatite aguda ou cirrose ativa); hipersensibilidade à algum componente da droga, e tratamento conjunto com inibidores da monoaminoxidase (IMAO).

EFEITOS COLATERAIS

Os mais comuns seriam uma leve sedação, geralmente transitória, cefaleia e tontura. Hipotensão ortostática pode ocorrer, apesar não ser tão comum; edema e aumento de peso. Sintomas inespecíficos como náuseas, vômitos, diarreia e secura de boca leve também podem ocorrer, além de diminuição de libido. Pode haver teste de Coombs positivo e galactorreia.

Foram descritos casos de anemia hemolítica com o uso de metildopa. Raramente apresenta leucopenia, em geral reversível. Pode haver também febre nas primeiras semanas, em geral associado à eosinofilia ou anormalidades de provas funcionais hepáticas, além de icterícia. Raros casos de necrose hepática grave, podendo evoluir a óbito. Biópsia nesses casos mostra alterações compatíveis com hipersensibilidade a medicamentos.

Assim, se febre entre 6-12 semanas do início do tratamento, sugere-se realizar provas de função hepática e hemograma completo. Se alterações, essa droga deve ser suspensa.

Nos casos de febre ou alterações hepáticas, metildopa não deve ser reiniciada nesses pacientes. As alterações geralmente são reversíveis.

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Fernando Figuinha

Especialista em Cardiologia pelo InCor/ FMUSP
Médico cardiologista do Hospital Miguel Soeiro - Unimed Sorocaba.
Presidente - SOCESP Regional Sorocaba.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anúncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site

%d blogueiros gostam disto: