Emergências Terapia Intensiva Cardiológica

Dicas: Noradrenalina é fotossensível?

Andre Lima
Escrito por Andre Lima

A Noradrenalina ou Norepinefrina é uma catecolamina sintética muito utilizada em terapia intensiva para o tratamento de hipotensão, choque e até na reanimação cardíaca. A medicação que age nos receptores alfa, beta 1, e em Beta 2 adrenérgicos, aumentando a Pressão arterial sistólica e diastólica.

Existem 2 tipos de de Norepinefrina disponíveis no mercado :

  • – LEVOPHED – Bitartarato de Norepinefrina – 1 amp de 4ml –> Cada ml
    contém 2,3mg de Bitartarato de Norepinefrina, que equivale a 1 mg de Norepinefrina Base;
    – HYPONOR – Hemitartarato de Norepinefrina – 1 amp de 4 ml –> Cada ml
    contém 2mg de Hemitartarato de Norepinefrina, que equivale a 1 mg de Norepinefrina Base .

 Para o efeito adequado no uso em Infusão contínua em bomba é essencial conhecer algumas particularidades:

  • Deve ser diluído em Solucão de Glicose 5% conforme as bulas dos Medicamentos:
    • Levophed@ : “Levophed (bitartarato de norepinefrina) deve ser diluído em dextrose a 5% ou em solução de cloreto de sódio mais dextrose a 5%. As soluções que contêm dextrose protegem o produto contra oxidação, a qual gera uma significativa perda de potência. Não é recomendada a administração apenas em solução salina.” à Bula do Medicamento
    • Hyponor@: “Alguns autores não recomendam Cloreto de Sódio 0,9% devido a problemas de oxidação. “ à BPR Guia de Remédios injetáveis.

  • A solução da Norepinefrina em Solução de Glicose 5% para infusão contínua em bomba deve ser acondicionada em Recipientes Foto protegidos:
    • Hyponor@: “A solução diluída em glicose 5% é estável por 24 horas em temperatura ambiente, com pequena perda de atividade, desde que protegida da luz e calor. Portanto, utilize equipo âmbar ou envolva o em papel alumínio. (Martindale / The Extra Pharmacopoeia – 29th edition – pág. 1470 e Handbook on injectable drugs 11ª edition)” à Bula do Medicamento.

Abaixo segue as informações da Fabricante do [email protected] ( Hypofarma):


Prezado André, boa tarde!

 

Em resposta ao seu questionamento, temos a informar que:

 

A oxidação é uma das principais causas de instabilidade de um ativo/produto farmacêutico; são reações complexas, assim como a definição da cinética do processo de oxidação dentro do estudo de estabilidade. As estruturas moleculares mais propícias a oxidação são aquelas que apresentam grupo hidroxila (OH) ligado diretamente a anel aromático (por exemplo, derivados fenólicos, catecolaminas, dienos conjugados etc.), o que é explicado pelos mecanismos das reações químicas envolvidas na oxi-redução.

 

A norepinefrina pertence à classe das catecolaminas. Esta classe de substâncias contêm um grupamento amino ligado a um anel aromático que, por sua vez, detém dois grupamentos hidroxila (em posição orto), semelhante ao arranjo encontrado na molécula de catecol (estrutura básica presente nas moléculas das catecolaminas). Essas catecolaminas são muito susceptíveis a oxidação, por exemplo, em presença de oxigênio do ar, produzindo quinonas orto substituídas (com perda da função farmacológica). Esta oxidação pode ser catalisada (acelerada) na presença de luz, dependendo das condições ambientais de manipulação de produtos que contenham catecolaminas (por exemplo, noreprinefrina).

 

 

Com base nesta fragilidade das catecolaminas, as formulações contendo insumo ativo (IFA) pertencente a este grupo devem conter substâncias antioxidantes, como o bissulfito de sódio presente no Hyponor, que tem a função de proteger este tipo de IFA da decomposição/degradação. Ainda assim, quando exposta a luz (estudos de fotoestabilidade do Hyponor), há testes que demonstram perda potencial de 4% a 5% de teor do ativo (dependendo das condições desafiadas). Considerando outros pontos, como grau de exposição (manipulação das amostras), pode ocorrer maior extensão de perda de teor. Além do uso de antioxidante químico no produto, a manipulação/formulação no processo de fabricação deve ser executada sob atmosfera inerte (nitrogênio, por exemplo), e a embalagem deve possuir sistema ou mecanismo fotoprotetor (no caso, característica âmbar).

 

A taxa de degradação/decomposição pode ser influenciada pelo pH, no caso de soluções, e existe potencial acréscimo desta taxa na faixa de pH neutro a alcalino. Com isso, o emprego da solução de glicose 5% (soro glicosado) é recomendado para manter um pH final em torno de 3,5 a 6,5, promovendo melhor estabilidade a norepinefrina.

 

Com isso, não há como prever uma velocidade exata de degradação frente a variabilidade de exposição ao calor, luz e ar que influenciam diretamente na estabilidade do produto; daí as recomendações em bula de manter sob temperatura controlada (15-30°C), proteger da luz e da fotoproteção do material utilizado na administração do produto (principalmente quando a velocidade de infusão for lenta).

 

A disposição para maiores esclarecimentos.

 

Att.

Michelly Figueiredo.

 

 

 

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Andre Lima

Andre Lima

Editor do site --
Especialista em Cardiologia pela SBC e InCor/ USP --
Especialista em Ecocardiografia pela SBC e InCor/USP --
Especialista em Terapia Intensiva pela AMIB --

4 comentários

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: