ECG Valvopatias

Sabe diferenciar sobrecarga sistólica de diastólica pelo ECG?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Ao detectarmos presença de sobrecarga de ventrículo esquerdo (SVE) pelo ECG, podemos tentar definir melhor qual o mecanismo responsável por este achado. Há basicamente dois tipos de SVE. Uma causada por sobrecarga sistólica que ocorre quando há algum grau de dificuldade de esvaziamento do VE durante a sístole. Exemplos clássicos seriam a estenose aórtica e a hipertensão arterial sistêmica. O outro tipo de SVE ocorre devido à sobrecarga diastólica, que seria decorrente do excesso de volume dentro da câmara ao final da diástole. O exemplo clássico para isto seria a insuficiência aórtica, condição que gera os maiores volumes ventriculares na cardiologia.

Ok. Mas o que isso tem a ver com o ECG. Na década de 50, Cabrera descreveu padrões distintos para cada tipo de SVE. Na SVE do tipo sistólica, observava-se presença de ondas R amplas em V5 e V6 acompanhadas de ondas T negativas e assimétricas (padrão strain). Exemplo abaixo de paciente com miocardiopatia hipertensiva:

Já na SVE do tipo diastólica, observava-se ondas R amplas em V5 e V6, muitas vezes precedidas por uma pequena onda q, sendo o complexo QRS sucedido por ondas T positivas. Abaixo segue exemplo de paciente com insuficiência aórtica importante.

E por que eu nunca havia escutado falar nessa classificação antes? Na verdade, esta classificação não tem uma acurácia tão boa. As diretrizes americanas de ECG inclusive recomendam que os termos SVE diastólica e sistólica sejam evitados, assim como o termo padrão strain. Contudo, para nós parece ser um aspecto histórico da eletrocardiografia interessante de ser lembrado. Apesar de não funcionar sempre, é um dado a mais para ajudar no raciocínio clínico.

Publicidade

Banner Atheneu

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

1 comentário

  • É, só que Framingham demonstrou que quem tem SVE com strain evoluiu mais para ICC do que quem não tinha, daí a importância dessa classificação ao meu ver.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: