Lípides

Estatina para todos (ou quase todos)?

Thiago Midlej
Escrito por Thiago Midlej

As doenças cardiovasculares causam cerca de 18 milhões de mortes por ano em todo mundo. Níveis elevados de LDL-colesterol estão relacionados à, aproximadamente, metade dos casos de infarto agudo do miocárdio. Estudos prévios mostraram que a queda do LDL –colesterol, devido ao uso de estatina, reduz os riscos de doenças cardiovasculares (DCV), mas os pacientes envolvidos nesses trabalhos tinham níveis elevados de LDL-colesterol, eram portadores de doença vascular, hipertensão e diabetes (DM). Além disso, são trabalhos realizados nos Estados Unidos ou na Europa, com população predominante de caucasianos.

No início de abril deste ano, o NEJM publicou o HOPE-3, um estudo duplo cego, randomizado, placebo controlado, realizado em 228 centros de 21 países que teve por objetivo avaliar se os benefícios do uso da estatina (no caso a rosuvastatina 10mg por dia) podem ser estendidos a pacientes sem doenças cardiovasculares e com risco intermediário (definido como risco anual de eventos cardiovasculares maiores de aproximadamente 1%).

Foram incluídos homens com idade ≥ 55 anos e mulheres ≥ 65 anos, com pelo menos um dos seguintes fatores de riscos:

– Relação cintura-quadril elevada

– História de HDL colesterol baixo

– Tabagista ou uso recente de tabaco

– História familiar de doença coronária

– Disfunção renal de moderada intensidade

– Disglicemia

Também foram incluídas mulheres com idade ≥ 60 anos com pelo menos dois desses fatores acima listados.  É importante notar que os participantes não foram selecionados com base nos níveis de colesterol.

No total, 12705 pacientes de diversas etnias (brancos, asiáticos, afrodescendentes hispânicos e outras etnias) foram randomizados para o grupo com doses diárias de rosuvastatina 10mg (6361 participantes) ou grupo placebo (6344 participantes).  A média de nível de colesterol foi 201,4 mg/dL e  LDL-colesterol 127,8 mg/dL. Apenas 5,8% dos participantes tinham diabetes. Em 1 ano, o LDL colesterol estava mais baixo cerca de 39,6 mg/dL quando comparado ao grupo placebo. Em 3 anos,  34,7 mg e, no final do estudo,  29,5mg/dL.

Após 5,6 anos de seguimento, os autores concluíram que houve uma redução dos desfechos primários compostos de morte cardiovascular, IAM não fatal, AVC não fatal, parada cardíaca ressuscitada, insuficiência cardíaca e revascularização, no grupo rosuvastatina quando comparado ao placebo (3,7% x 4,8%). No grupo rosuvastatina, houve também aumento na taxa de dores musculares (5,8% x 4,7%), mas essas condições foram reversíveis com a suspensão temporária do tratamento. Houve apenas um caso de rabdomiólise (no grupo rosuvastatina) e dois casos de miopatia (um em cada grupo). Maior número de cirurgias de catarata foi observado no grupo rosuvastatina. Este efeito já havia sido descrito em estudos observacionais, embora a causa ainda não tenha sido totalmente elucidada. O grupo tratado com rosuvastatina também apresentou menos hospitalização por causas cardiovasculares (4,4% x 5,8%) e AVC. Não houve diferença entre os dois grupos no número de participantes que desenvolveram DM.

Assim, este estudo traz mais evidência do significante benefício da estatina, agora em um grupo de pessoas com etnias diferentes, sem doença cardiovascular e com risco cardiovascular intermediário. Ainda mais interessante é saber que o tratamento com dose fixa e baixa de estatina, sem conhecer exames laboratoriais de rotina (incluindo perfil lipídico) para iniciar e monitorar o tratamento, é eficaz e com baixíssimos efeitos colaterais. Isso, sem dúvida, deve nortear as próximas diretrizes de dislipidemia. Será esse estudo um dos pioneiros para a tão polêmica polypill?

Publicidade

Deixe um comentário

Sobre o autor

Thiago Midlej

Thiago Midlej

Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia​ e pelo Instituto do Coração da Faculdade de Medicina de São Paulo - I​NCOR​​.
Pós graduando da Unidade de Hipertensão do​​ I​NCOR​
Médico plantonista da Unidade Clínica de Emergência do INCOR
​​Cardiologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

3 comentários

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: