Arritmia

Novos anticoagulantes + cirurgia eletiva: quando suspender a medicação?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Já vimos em outro post qual a conduta frente ao paciente que usa um dos novos anticoagulantes e que vai ser submetido a um procedimento odontológico mais simples. Mas e se o paciente for fazer uma cirurgia de maior porte como uma colescistectomia ou uma gastrectomia? Primeiro, temos que ver qual o risco de sangramento do procedimento:

Depois, precisamos ver a função renal do paciente e qual medicação está usando exatamente. Como estes dados em mãos, podemos definir o tempo de interrupção da medicação:

Exemplo:

Paciente usa apixabana 5 mg 2xd (tomada às 8h e 20h) e vai ser submetido a uma colecistecotmia. O procedimento é considerado de alto risco de sangramento como podemos ver na primeira tabela. Digamos que a função renal seja normal (ClCr 92 mL/min). Nesse caso precisamos parar a medicação no mínimo 48h antes da cirurgia abdominal. Digamos que a cirurgia esteja marcada para sexta às 7h. A última dose da apixabana seria, neste caso, na terça às 20h.

 

Curso Preparatório

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

3 comentários

  • Bom dia, Se a cirurgia está marcada para para sexta às 7h e nesse caso precisamos parar a medicação no mínimo 48h antes da cirurgia abdominal, a última dose da apixabana não seria neste caso, na terça a 20h já que ele toma 8h e 20h ??

  • boa tarde! a todos gostaria de saber se no caso de antiagregantes plaquetarios e antecoagulantes a programaçao de cirugiada e de acordo com o tempo médio de vidas das plaquetas no uso do medicamento. agradeço a resposta.

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto:
X