Métodos complementares Valvopatias

Qual a melhor forma de quantificar estenose mitral na gestação?

Eduardo Lapa
Escrito por Eduardo Lapa

Esta publicação também está disponível em: Português

Vimos em post prévio quais as modificações hemodinâmicas fisiológicas que ocorrem durante a gestação. Tais mudanças aumentam o risco de compensação de certas cardiopatias pré-existentes, como a estenose mitral.

Qual a melhor forma de quantificar a gravidade da estenose mitral durante o período gravídico? Seria a área valvar medida pela planimetria? Ou pela método do PHT? Ou seria melhor usar o gradiente diastólico médio?

Resposta: o melhor parâmetro para quantificar a gravidade da estenose mitral na gestação é a mensuração da área valvar mitral pela planimetria. 

Por quê? As outras medidas, principalmente os gradientes diastólicos, sofrem influência do status hemodinâmico da paciente. Situações como a gravidez que aumentam o débito cardíaco, o volume sanguíneo circulante e causam elevação da frequência cardíaca tendem a aumentar significativamente os gradientes através da valva. Isso ocorre simplesmente porque há mais sangue passando por um mesmo espaço em um determinado intervalo de tempo. Assim, a paciente pode ter uma estenose moderada mas apresentar temporariamente gradientes sugestivos de valvopatia importante.

Dica: o cálculo da área valvar mitral pelo método da planimetria deve ser sempre o preferido para a quantificação da estenose mitral. Isto é particularmente importante em situações que há estado hiperdinâmico (doença febril, sepse, gestação, hipertireoidismo descompensado, taquiarritmias, etc). 

Curso Cardiopapers

Banner Atheneu

Deixe um comentário

Sobre o autor

Eduardo Lapa

Eduardo Lapa

Editor-chefe do site Cardiopapers
Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela SBC

1 comentário

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto: