Dica: Aplicativo PCR app ( Manobras de Reanimação)
Posted 97 dias ago

PCR App - IOS / IPhone
( por Rafael Moraes)
 

 
 
Aplicativo GRATUITO e bem elaborado com objetivo de auxiliar na condução das Manobras de Reanimação Cardiorespiratória. Com esta ferramente é possível iniciar…

Dica: Aplicativo PCR app ( Manobras de Reanim…
Dica de Livro: Tratado Braunwald 9ª Edição em Português ( Lançamento)
Posted 286 dias ago

 
Como dica de livros desta semana, escolhemos o  Braunwald : Tratado de Doenças Cardiovasculares , que em 2013 está lançando a sua  9ª Edição  totalmente em português. Todos sabem que…

Aplicativo CardioPapers para Iphone
Posted 379 dias ago

 
O aplicativo CardioPapers para sistema IOS ( IPhone, IPad e IPod) foi atualizado corrigindo os antigos erros e dificuldades de abrir o sistema. Com o aplicativo é possível acessar os…

Aplicativo CardioPapers para Iphone
Qual é a
Posted 385 dias ago

Estudo apresentado nesse mês no American College of Sports Medicine avaliou o impacto em mortalidade de indivíduos que praticavam corrida regularmente.
Ele avaliou mais de 52.000 indivíduos do ACLS (Aerobic Center…

Qual é a “dose” certa da corrida?
Dicas: Noradrenalina é fotossensível?
Posted 392 dias ago

A Noradrenalina ou Norepinefrina é uma catecolamina sintética muito utilizada em terapia intensiva para o tratamento de hipotensão, choque e até na reanimação cardíaca. A medicação que age nos receptores…

Dicas: Noradrenalina é fotossensível?
Novos Anticoagulantes:Quais deles escolh
Posted 447 dias ago

 
Recentemente o FDA( Estados Unidos)  aprovou o Apixaban (Eliquis, Bristol-Myers Squibb/Pfizer) para prevenção de eventos tromboembólicos e AVCs em portadores de FA não valvar, juntando-se ao rivaroxaban (Xarelto, Bayer/Johnson &…

Novos Anticoagulantes:Quais deles escolher?
Síncope VasoVagal: Recomendações Comportamentais
Posted 554 dias ago

As Síncopes neurocardiogênicas são umas das principais causas de desmaios e perda de consciência na prática clínica. Aqui listamos medidas comportamentais que podem auxiliar a evitar estes eventos, muitas vezes…

Trabalhos Clássico: MASS I – Angioplastia x Cirurgia x Tratamento Clínico
Posted 657 dias ago

Trabalhos clássicos: MASS

 
Contexto: Tentar responder uma questão até hoje não completamente esclarecida - qual a melhor opção terapêutica para os pacientes, com angina estável e função ventricular preservada, independentemente do…

Trabalhos Clássico: MASS I – Angioplastia x C…
Como Interpretar Troponina Ultra Sensível?
Posted 673 dias ago

 
A avaliação da dor torácica no pronto socorro é umas das principais atividades dos cardiologistas e emergencistas, e a atualização neste tópico é de extrema importância. No artigo anterior discutimos as…

Como Interpretar Troponina Ultra Sensível?
Estratificação na SCA sem Supra : Quando pedir Cateterismo?
Posted 680 dias ago

 
As Síndromes Coronárias Agudas Sem Supra de ST ( SCA SSST) são umas das entidades mais comuns nos pronto socorros cardiológicos e caracterizam-se por um espectro de gravidade e prognósticos…

PreviousNext
TOP

Evento cardiovascular = estatina?

Já vimos um resumo dos novos guidelines americanos de dislipidemias em outro post. Uma das principais indicações de estatina são os pctes que já apresentaram doença aterosclerótica manifesta (iam, angina, avc, ait, doença vascular periférica). Isto quer dizer que evento cardiovascular = estatina? Não! Isto é verdadeiro apenas se o evento tiver ocorrido por doença aterosclerótica provável. No exemplo abaixo, por exemplo, vemos o caso de um pcte com próteses mecânicas em posição mitral e aórtica que evoluiu com infarto  embólico. Um trombo formado na prótese mitral embolizou e foi parar na descendente anterior. Este pcte não apresenta evidências de doença aterosclerótica e assim, a princípio, não apresenta benefício em receber estatina apenas pelo fato de ter apresentado IAM. 

O mesmo raciocínio pode ser usado em paciente que fez AVCi por trombose arterial secundária à síndrome do anticorpo antifosfolípide, por exemplo. 

Comentar
TOP

App gratuito – Calculadora de risco cardiovascular da AHA

Já colocamos o link para um app grátis para calcular o risco cardiovascular de acordo com os novos guidelines americanos. Contudo, a versão que disponibilizamos agora é a oficial da AHA. Vale a pena conferir por este link o aap gratuito para iphone.

 App gratuito   Calculadora de risco cardiovascular da AHA

Comentar
TOP

Screening para Aneurisma de Aorta Abdominal

USG AAA Screening para Aneurisma de Aorta Abdominal

Aneurismas de aorta abdominal (AAA) são geralmente sub-diagnosticados, já que na maioria dos casos os pacientes se mantém assintomáticos até a sua rotura. Assim, seria interessante a realização de um screening para diagnóstico precoce dessa condição.
Uma análise envolvendo 137.214 participantes de 4 estudos avaliou a efetividade do screening ultrassonográfico único do AAA em homens com mais de 65 anos.
A prevalência de AAA foi de 4 a 8%, e o screening realizado foi associado com uma redução nas taxas de rotura do AAA por até 10 anos e na mortalidade relacionada ao AAA por até 15 anos. Não houve benefício em mortalidade por todas as causas.
Um dos estudos envolveu também 9.000 mulheres. A prevalência foi 6x menor do que em homens, e a realização do screening não trouxe benefício em desfechos.

As últimas recomendações das diretrizes americanas de 2005 (USPSTF – U.S. Preventive Services Task Force) eram para realização de screening somente em homens com 65 a 75 anos com histórico de tabagismo.

Referência:
1. Guirguis-Blake JM et al. Ultrasonography screening for abdominal aortic aneurysms: A systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med 2014 Jan 28; [e-pub ahead of print].

Comentar
TOP

Podemos suspender a aspirina antes das cirurgias não-cardíacas?

imagem(3) Podemos suspender a aspirina antes das cirurgias não cardíacas?

Essa é uma pergunta que sempre foi motivo de discussão e discórdia entre cardiologistas e cirurgiões.

O estudo POISE-2 (Perioperative Ischemic Evaluation 2) tentou responder essa questão.

Foram randomizados 10.010 pacientes em programação de realização de cirurgia não cardíaca para utilizar aspirina ou placebo. Esses pacientes apresentavam algum fator de risco ou já tinham doença aterosclerótica.

5.628 pacientes não utilizavam aspirina (grupo início) e 4.382 pacientes já utilizavam aspirina (grupo contínuo).

Os pacientes receberam placebo ou Aspirina 200mg  antes da cirurgia, seguido de 100mg 1xd por 30 dias (grupo início) ou 100mg 1xd por 7 dias, retornando para dose anterior (grupo contínuo).

O desfecho primário foi um composto de morte ou IAM não fatal em 30 dias. Ocorreu no grupo Aspirina em 7,0% vs 7,1% do grupo placebo (p ns). Já em relação ao sangramento maior, no grupo Aspirina ocorreu em 4,6% vs 3,8% do grupo placebo (HR 1,23; p 0,04).

Os desfechos foram semelhantes nos grupos que tinham iniciado aspirina e que continuaram com aspirina.

Conclui, então, que utilizar Aspirina antes da cirurgia e no pós-operatório não reduz  o composto de mortalidade ou infarto não fatal, mas aumenta o risco de sangramentos maiores.

Quer dizer que devemos suspender aspirina para todos antes de cirurgia não cardíaca?

Não. Apesar de uma boa parte dos pacientes do estudo apresentarem doença vascular, somente 4,3% desses pacientes tinham histórico de angioplastia prévia. Assim, a segurança da suspensão da aspirina nesse grupo ainda não pode ser definida baseada nesse estudo. Além disso, nesse estudo foram excluídos pacientes que colocaram stent convencional nas últimas 6 semanas ou stent farmacológico no último ano. Nesse grupo de pacientes, não devemos suspender a antiagregação.

Referência:

-Devereaux PJ, Mrkobrada M, Sessler DI et al. Aspirin in Patients Undergoing Noncardiac Surgery.  NEJM 2014; March 31. DOI: 10.1056/NEJMoa1401105.

Comentar
TOP

Novo Guideline de Fibrilação Atrial – AHA 2014

 

Afib ecg Novo Guideline de Fibrilação Atrial – AHA  2014

 

O ultimo guideline de Fibrilação atrial foi publicado em 2006 e agora em 2014 recebeu uma nova atualização .

 

Fibrilação Atrial- Definições

FA paroxística

  • FA que termina espontâneamente ou em até 7 dias após intervenções ;
  • Episódios podem ocorrer com frequencia variada.

FA persistente

  • FA contínua e sustentada po > 7 dias.

FA persistente de longa duração

  • FA contínua por > 12 meses.

FA permanente

  • FA permanente é usada quando houve decisão conjunta por parte do médico e do paciente para cessar as tentativas de restaurar e ou manter o ritmo sinusal.
  • Aceitação de AF pode mudar à medida que os sintomas, a eficácia de intervenções terapêuticas, e paciente e preferências do clínico evoluir.

FA não Valvar

  • FA na ausência de Estenose mitral reumática , próteses mecânicas ou biológicas, ou plástica mitral.

 

  • O CHA2DS2-VASc é o escore recomendado para avaliação do risco de eventos trombembólicos (B); O risco de eventos tromboembólicos devem ser avaliados independente da apresentação da FA ( permanente, persistente ou paroxística)
  • A Varfarina é o anticoagulante oral (ACO) recomendado para utilização em portadores de próteses valvares mecânicas com alvo de INR entre 2,0 -3,0 ( aórtica) e 2,5 -3,5 ( mitral). NÃO UTILIZAR NOVOS ANTICOAGULANTES EM PRÓTESES METÁLICAS.
  • Pacientes com FA NÃO VALVAR , portadores de história de AVC , AIT ou CHA2DS2-VASc ? 2 indica anticoagulação oral . Opções: Varfarina (Ia), Dabigatran (Ib) , Rivaroxaban (Ib) e Apixaban(Ib).
  • Os novos anticoaculantes (Dabigatran , Rivaroxaban e Apixaban) são especialmente úteis naqueles paciente portadores de FA NÃO VALVAR que não conseguem manter o INR terapêutico adequadamente.
  • Pacientes com CHA2DS2-VASc = 0 é razoável não iniciar ACO (IIa)
  • Em pacientes com disfunção renal avançada ( ClCr < 15 ml min) cuja ACO foi indicada, deve-se usar a varfarina (Não utilizar os novos anticoagulantes).
  • Paciente com fibrilação atrial que possuem indicação de angioplastia coronária, é recomendado optar por Stent Não farmacológicos ( BARE Metal) pois possuem necessidade de dupla antiagregação por menos tempo. A ACO pode ser interrompida antes do procedimento com objetivo de reduzir complicações hemorrágicas no sítio de punção arterial. (IIb)
  • Após revascularização miocárdica ( Cirúrgica ou percutânea) em pacientes com FA e CHA2DS2-VASc ?2, é razoável a associação de ACO e clopidogrel 75mg , mas SEM AAS. (IIb)
  • Em pacientes sintomáticos é razoável o Controle restrito de frequência cardíaca com alvo de FC < 80bpm (IIa) .
  • Em pacientes assintomáticos e com função ventricular preservada, o controle mais liberal de FC < 110 bpm pode ser útil ( IIb)
  • Pod-se utilizar Amiodarona venosa para controle de frequência em pacientes em estado crítico.
  • Amiodarona oral pode ser utilizada para controle de frequência cardíaca quando outra medicações não foram eficazes ou são contraindicadas.
  • Em portadores de FA com pré-excitação a  Amiodarona intravenosa , betabloqueadores , bloqueadores de canais de cálcio não dihidropiridinicos e digoxina são contra indicados para controle de frequência cardíaca pois podem aumentar a resposta ventricular e desencadear fibriliação ventricular.

CONTROLE DE RITMO:

  • Lembrar que em portadores de FA ou Flutter com mais de 48h ou de início desconhecido devem utilizar ACO por 3 semanas antes e 4 semanas depois independente do CHA2DS2-VASc e do método utilizado para a Cardioversão ( elétrica ou química).
  • Cardioversão Elétrica (CVE) é recomendada quando FA ou Flutter de alta resposta ventricular não responde prontamente à terapias farmacológicas em que a elevada FC contribui para isquemia miocárdica, hipotensão ou insuficiência cardíaca.
  • A CVE é recomendada em FA com pré excitação onde a taquicardia é responsável pela instabilidade pois a maioria dos medicamentos para controle de FC são contra indicados.
  • Cardioversão química com Propafenona ( "Pill-in-the-pocket") deve-se associar Betabloqueadores ou bloqueadores de canais de cálcio não dihidropiridínico e podem ser utilizados em situações fora do hospital ( a primeira Cardioversão nesta estratégia deve realizada em ambiente monitorado).

 

Referência:

2014 AHA/ACC/HRS Guideline for the Management of Patients With Atrial Fibrillation: Executive Summary: A Report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and the Heart Rhythm Society

 

pixel Novo Guideline de Fibrilação Atrial – AHA  2014
Comentar