Hipertensão arterial sistêmica Miscelânia

Pré-eclâmpsia aumenta risco de hipertensão no futuro?

Thiago Midlej
Escrito por Thiago Midlej

A  pré- eclâmpsia é caracterizada pela elevação de PA associado a proteinúria ou disfunção orgânica após 20 semanas de gestação. Afeta 3 % a 5 % das gestações em todo mundo e é responsável não só pelo elevado risco de morbimortalidade para mãe e criança, mas também por elevação de risco cardiovascular da mulher no decorrer da vida. Alguns estudo demonstraram que mulheres que tiveram pré-eclâmpsia tinham mais chance de serem hipertensas após a gestação.O mecanismo exato dessa relação ainda é incerto, mas  parece ser multifatorial. Acaba de ser publicado no Hypertension, um estudo que teve como objetivo, determinar a prevalência de HAS e padrões da MAPA 24 horas em mulheres com 1 ano após pré-eclâmpsia severa. No total de 200 mulheres avaliadas, 41,5% tinham alguma forma de HAS, 1 ano após o parto. 14,5% tinham hipertensão sustentada. A MAPA foi essencial pois diagnosticou HAS mascarada em 17,5% e hipertensão do jaleco branco em 9,5%. A HAS mascarada está associada com o aumento do risco de desenvolver HAS sustentada, eventos e mortalidade  cardiovasculares, independente da PA de consultório. Indivíduos portadores de HA do jaleco branco, também apresentam risco aumentado de HAS sustentada e dano de órgão alvo, quando comparados a normotensos. Além disso, o trabalho mostrou que 75% das mulheres com diagnóstico de HAS antes da MAPA e da medida no consultório, ou não estavam com tratamento anti-hipertensivo otimizado, ou não eram aderentes ao tratamento.

Segundo as diretrizes, é recomendado a avaliação de PA em pacientes com história de pré-eclâmpsia, entretanto, recomendações específicas, métodos e tempo para se realizar essa avaliação não são claros. Esse estudo mostra a importância da MAPA, paralelamente a PA de consultório, na avaliação dessa população, já que sem esse exame complementar, não seria possível o diagnóstico de HAS mascarada e HA do avental branco.  

Impressão do editor (Eduardo Lapa) – estudo bastante interessante. Normalmente o cardiologista recebe em seu consultório pacientes com histórico de pré-eclâmpsia apenas quando a presão arterial do consultório persiste elevada o acompanhamento com o obstetra. Contudo, como mostrado pelo estudo, uma boa parte dos diagnósticos seria perdido (caso de HAS mascarada) ou dado de forma errada (HA do jaleco branco) neste cenário. O estudo nos leva a considerar a realização de MAPA de forma rotineira no seguimento de pacientes com histórico de pré-eclâmpsia. Obstetras também precisam ficar atentos a estes achados. 

Cada vez mais vê-se que as medidas de pressão arterial no consultório estão longe de representar o padrão-ouro para diagnóstico ou exclusão de hipertensão. A diretriz britânica de HAS há anos já colocou o MAPA como a forma de diagnosticar HAS, colocando medidas de PA no consultório apenas como método de triagem. A realidade lá é outra. Quem imagina dar diagnóstico de HAS no SUS pedindo MAPA? Completamente inviável. Contudo, no ambiente de medicina privada o acesso ao exame é amplo e provavelmente deveríamos usar mais o método.

Referência: Blood Pressure Profile 1 Year After Severe Preeclampsia. Laura Benschop, Johannes J. Duvekot, Jorie Versmissen, Valeska van Broekhoven, Eric A.P. Steegers, Jeanine E. Roeters van Lennep, Hypertension, March 2018

Publicidade

Banner Atheneu

Banner Curso Pré Operatório

Deixe um comentário

Sobre o autor

Thiago Midlej

Thiago Midlej

Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia​ e pelo Instituto do Coração da Faculdade de Medicina de São Paulo - I​NCOR​​.
Pós graduando da Unidade de Hipertensão do​​ I​NCOR​
Médico plantonista da Unidade Clínica de Emergência do INCOR
​​Cardiologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Deixe uma resposta

Seja parceiro do Cardiopapers. Conheça os pacotes de anuncios e divulgações em nosso MídiaKit.

Anunciar no site
%d blogueiros gostam disto:
X